'Com prefeituras quebradas, escolas podem fechar as portas', adverte Gladson Cameli

Algumas escolas municipais poderão fechar as portas no ano que vem porque as prefeituras não terão dinheiro para manter os colégios, alertou o senador Gladson Cameli (PP-AC). Ele manifestou preocupação, nesta quarta-feira (28), com a queda no repasse do Fundo de Participação dos Municípios. Segundo Cameli, os cortes variam entre 30 a 40% do total, ou R$ 2,4 bilhões em um ano.


— Prefeituras de vários municípios do Acre estão a ponto de fechar as suas portas em protesto contra os cortes do repasse no Fundo de Participação dos Municípios. Segundo os gestores municipais, essa é a única alternativa que resta para alertar a população e sensibilizar o Congresso Nacional para o estado de caos financeiro que enfrentam — disse em Plenário.


O senador disse que são as pequenas prefeituras as que mais sofrem porque são as com maior dependência do dinheiro do fundo. Além disso, explicou que há cortes em outros repasses federais, como os do Programa Dinheiro Direto na Escola, que é destinado a complementar a verba para a manutenção de escolas públicas.
Enquanto o caixa vai ficando vazio, as despesas das prefeituras só crescem, afirmou Cameli. Deu dois exemplos: o reajuste anual salário mínimo, que prevê aumento real de valor, e o piso salarial dos professores das escolas públicas. O senador declarou-se favorável às duas políticas, mas disse que os prefeitos precisam ter dinheiro para pagar essas contas.

Cameli afirma que é preciso priorizar brasileiros


O senador Gladson Cameli também ressaltou a importância dos políticos buscarem união para resolverem os problemas do país. “Precisamos dar uma resposta positiva à população brasileira que está sofrendo com o aumento nas contas de energia, água e telefone. Por isso que peço aos meus pares para colocar o povo brasileiro em primeiro lugar, e não as questões políticas”. Disse. Ontem, durante o discurso feito no plenário do Senado, ele também chamou atenção para a “situação difícil” decorrente da crise política e econômica e pediu união nacional para superação da crise. 

 

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades em primeira mão!

Comentários

Siga nas redes sociais:

Receba Novidades