Cameli defende ações eficazes para viabilizar comércio rodoviário entre Brasil e Peru

  • 05 de May de 2015

Cameli discursa sobre InteroceânicaO senador Gladson Cameli (PP-AC) defendeu na tribuna do Senado a implantação de ações capazes de concretizar o comércio pela Interoceânica, eixo rodoviário que liga Brasil ao Peru e traz possibilidade de um intercâmbio comercial benéfico ao Acre. Entre os caminhos apontados pelo progressista estão investimentos em um centro alfandegário, melhorias na BR-317 e, a desburocratização nas transações comerciais na fronteira entre Assis Brasil e Iñapari.

De acordo com o senador, os empresários brasileiros e peruanos anseiam pela implantação de um centro alfandegário integrado entre os dois países. “Há um projeto da Iniciativa para Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (I.I.R.S.A.), que prevê a construção de um Centro Binacional de Atenção Fronteiriça (CEBAF) entre as cidades de Assis Brasil e Iñapari, que infelizmente ainda não prosperou”, apontou.

Para o senador, o investimento no eixo rodoviário é uma oportunidade de estabelecer um novo comércio para os acreanos e tornar mais fácil a vida das quase 800 mil pessoas que vivem no Acre. “Esse eixo rodoviário recente traz a possibilidade de um intercâmbio comercial benéfico ao Acre, como o que ocorreu durante as enchentes do ano passado. Na pior fase da cheia de 2014, a rodovia Interoceânica foi essencial para diminuir o sofrimento dos acreanos. Num cenário de grave desabastecimento, cerca de duas mil toneladas de artigos peruanos chegaram ao Acre por essa estrada”, disse o senador, ressaltando que naquela época, em razão do quadro emergencial, a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) permitiu que transportadoras do Acre trouxessem produtos peruanos ao Brasil com mais facilidade e menos burocracia.

Cameli disse ainda que no âmbito logístico, há o problema do custo de fretamento. “Os caminhões partem carregados, seja do Brasil ou do Peru, mas retornam vazios, encarecendo o transporte. Uma solução seria criar condições para que produtos brasileiros da Região Norte, como castanha e madeira, fossem transportados para os portos do Peru nos mesmos caminhões que trazem mercadorias para o Brasil”, destacou.

Outra questão logística a ser solucionada diz respeito à manutenção da rodovia no Acre. “A sinalização da BR-317
está deficiente em alguns trechos e a erosão está prejudicando outros. A preservação adequada da rodovia é o mínimo que podemos esperar, se desejamos solidificar o comércio com os peruanos”, cobrou Cameli.

A burocracia também foi apontada pelo parlamentar como um dos maiores entraves para a viabilidade comercial da Estrada do Pacífico, dificultando a exportação dos fornecedores peruanos para o país. “As normas brasileiras são complexas, e a obtenção de licenças de importação é bastante demorada. Desfazer o nó burocrático é crucial para tornar viável o comércio rodoviário entre Acre e Peru. Já é hora de deixar o comércio internacional florescer naquela região em tempos normais, sem a necessidade de enchentes”, finalizou.

Cadastre seu e-mail e receba nossas novidades em primeira mão!

Comentários

Siga nas redes sociais:

Receba Novidades